19/08/2015

Resenha: Como não ser um babaca

Você conhece algum babaca? Provavelmente sim, os babacas não se importam com as opiniões dos outros, falam muito, mas escutam pouco, tem desculpa pra tudo e criticam todos. No livo Como não ser um babaca, a autora cria um guia de etiqueta que condiz com a atualidade, faz refletir, mas que também diverte bastante.

Preço: R$ 29,90
Autora: Meghan Doherty
Editora: Intrínseca
Páginas: 191

O livro se divide em sete cenários onde, muitas vezes, agimos como babacas, expõe situações onde nossas noções de comportamentos entram em conflito e dá dicas para não agir como completos idiotas. Por se tratar de um guia, Como não ser um babaca não possui uma história linear ou personagens, mas não pense que isso desmerece a obra.

A autora usa de sarcasmo como um dos principais recursos cômicos e acera em cheio. O humor funciona perfeitamente, Meghan consegue entreter com parágrafos simples e de leitura dinâmica. As ilustrações também transmitem as piadas dos texto e são extremamente divertidas, principalmente as que envolvem queijo gouda...

Em casa, na escola, no trabalho, na hora da diversão, em trânsito e na internet. As sete seções retratam de aspectos muito importantes e que incomodam muita gente. Se tem algo surpreendente em Como não ser um bacaca é a abrangência que Meghan consegue atingir no decorrer das 191 páginas, a autora fala de poltronas reclináveis, demissão, homofobia, táxis, diálogos, etc. Recheados de críticas, os capítulos conseguem convencer o mais inflexível dos leitores a observar suas ações e evitar as atitudes de um bacaca.

A intrínseca acertou em cheio com a edição do livro. A capa  dura ( transmite seriedade) em conjunto com as ilustrações bem distribuídas e os parágrafos curtos, otimizam a leitura e facilitam a compreensão de cada tópico.

Simples, divertido, crítico e muito inteligente. Como não ser um babaca é aquele guia para ler em pouco tempo, mas para gargalhar muito. Seu conteúdo é criativo, informativo e mostra que muitas vezes, não ser um babaca é mais difícil do que aparenta.


0 comentários: