02/02/2016

Resenha: Magnus Chase e os Deuses de Agard - A Espada do Verão

Magnus Chase é um adolescente que teve um passado extremamente conturbado. Assistiu a morte de sua mãe, morou nas ruas, fugiu de assistentes sociais e quando tudo em sua vida já parecia estranho o suficiente, Magnus morre. E isso é só o começo de sua jornada épica.

Preço: R$ 44.90
Autor: Rick Riordan
Editora: Intrínseca
Páginas: 448

Que Rick Riordan segue uma fórmula de escrita, todo mundo sabe. Por isso quando iniciei a leitura de A Espada do Verão esperava mais do mesmo. Uma missão, um grupo de filhos dos deuses, várias batalhas intensas, etc. Enfim, algo divertido, mas simples. Nunca estive tão errado, Magnus Chase não se aproxima de Percy Jackson como eu esperava. A história segue um rumo completamente diferente da saga dos olimpianos.

Magnus é um garoto simples, um órfão morador de rua que possui amigos excêntricos e divertidos. Sua história não aborda um adolescente grandioso e extremamente poderoso como Percy Jackson, Magnus é inexperiente e possui uma combinação imensa de sorte e amigos inteligentes que conseguem livrá-lo dos inimigos.

Arrisco-me a dizer que Magnus Chase é o personagem mais cativante do universo fictício de Riordan. Seu carisma assemelha-se ao de Leo Valdez, seu sarcasmo ao de Percy Jackson e sua inteligência a de Annabeth Chase. A trama é recheada de referências à cultura pop, como Taylor Swift, Game of Thrones, etc.

A trama de A Espada do Verão se passa no Hotel Valhalla que é um refúgio para os bravos guerreiros que morreram em batalha. Lá, esses guerreiros são treinados para combater ao lade de Odin no Ragnarok. Diferentemente do acampamento meio-sangue, no Hotel Valhalla os guerreiros Já estão mortos, por isso, as cenas de combate são realmente violentas e sangrentas. Mostrando que diferentemente de Percy Jackson, Magnus Chase é uma saga focada em um público mais maduro.

Os personagens da saga nórdica são completamente diferentes de tudo que Riordan já mostrou. Samirah, Blitz e Hearth são profundos e possuem passados cheios de acontecimentos importantes. Eles passam verossimilhança. Samirah luta pelo que acredita e não hesita em ajudar aqueles que precisam. Blitz é esforçado, impulsivo, mas não é confiante. Hearth sofreu muito no passado e possui uma carga emocional pesada que dá maturidade ao livro.

Divertido, inusitado e maduro, Magnus Chase e os Deuses de Agard: A Espada do Verão Adiciona o que faltava ao universo mitológico de Rick Riordan, sua trama é criativa e surpreendente, seus personagens são cativantes e mostram que muitas vezes usar uma fórmula pode dar muito certo.




0 comentários: