27/09/2016

O Último Adeus e o Suicídio

O número de suicídios no Brasil vem aumentando surpreendentemente no últimos anos. De acordo com dados da campanha Setembro Amarelo, 32 pessoas morrem diariamente devido à este problema, e o pior, mesmo com o grande número de óbitos (que ultrapassa o de vítimas da AIDS e de alguns cânceres), o suicídio ainda é tratado como tabu e muitas pessoas ignoram a magnitude do problema. Para aumentar a conscientização, foi criada a campanha Setembro Amarelo que busca informar e prevenir o suicídio. Nós do R decidimos demonstrar apoio à campanha e também resenhar O Último Adeus que trata do tema.

Passaram-se meses e Lex ainda não consegue compreender o suicídio de seu irmão, Ty. O que mais machuca a garota, é o fato de que seu Tyler não deixou nenhuma carta, justificativa ou mensagem. Tudo que ficou foi um post-it colado no espelho de seu quarto com os dizeres: "Desculpa, mãe, mas eu estava muito vazio."

Tudo muda na vida de Lex após a morte do irmão. O pai se afasta muito mais da família, a mãe passa os dias chorando e bebendo, a própria Lex se vê sem rumo na vida, sem amigos, sem força pra continuar lutando. Quando a garota começa a notar algo estranho em sua casa, fotos desaparecem, o perfume de Ty sempre está nos cômodos ela pode sentir a presença de Ty.

O Último Adeus narra a tentativa de Lex de compreender, perdoar e aceitar a morte do irmão. Enquanto tenta seguir em frente e lidar com os problemas da vida adolescente, como notas, decidir o futuro e superar as perdas diárias. 

A escrita de Cynthia Hand é extremamente realista e dinâmica. Toda a trama é contada através de um diário da protagonista, isso permite que o leitor conheça o passado dos personagens e também quebra a atmosfera de tristeza após o suicídio. Lex é uma protagonista interessantíssima.  Forte e inteligente, a garota consegue mostrar que mesmo as pessoas mais resistentes, podem precisar do apoio para lidar com momentos difíceis.

A edição em capa dura feita pela Darkside Books é linda e também possui muita relação com a história. A capa, simula vários post-its e um removível cobre o título. As páginas são amareladas, as letras são azuis e simulam a cor de uma caneta esferográfica. Além disso, em algumas partes da obra existem linhas emaranhadas e quanto mais próximo do final, mais as linhas se desembaraçam, simbolizando as soluções dos conflitos.

O livro é extremamente emocionante, trata de dois pontos de vista sobre o suicídio. O de quem se foi e o daqueles que foram deixados. A autora mostra grande realismo ao criar personagens que lidam com o sofrimento de maneiras diferentes. A história é brilhante, quebra tabus, preconceitos e dá uma visão esperançosa para os familiares e amigos que perderam alguém.

Tocante e realista, O Último Adeus é uma reflexão sobre dor, culpa, sofrimento e perda. A obra mostra que mesmo que tenhamos problemas, sempre devemos estar dispostos a ajudar alguém que precisa. A forte mensagem de esperança e do valor de perdoar a si mesmo é extremamente necessária, tanto para aqueles que perderam alguém, quanto para os que já cogitaram o suicídio.





Se precisar de apoio ou pensar em encerrar sua vida, entre em contato com a CVV (Ligue 141 ou acesse o site http://www.cvv.org.br/), lá você poderá conversar com profissionais disponíveis para te ajudar a passar por esses momentos difíceis. <3

Um comentário:

  1. Tema importíssimo de ser abordado! Achei muito bacana o R de Resenha dedicar um pouco do seu espaço falar dele. Sua resenha também está excelente, admito que agora estou com vontade de ler o livro. 😄

    ResponderExcluir